Antigos:

 

Essa raridade é de um cliente meu, e sinceramente, está me dando uma dor no peito de vê-lo aqui... Esse Fusca é ano 1973, totalmente restaurado pelo seu proprietário, motor 1.500, interior em couro branco seguindo os padrões originais de fábrica, assim como todos seus detalhes. Andar nas ruas com ele é incrível. O carro não faz um ruído de acabamentos soltos pelo interior, e ao andar em ruas mais esburacadas, aó se escuta o ronco do motor. Por isso digo que é uma verdadeira raridade, pelo trabalho de restauração feito em todo o veículo e pelo carinho que o proprietário teve para deixá-lo nas condições que está agora.

Quem tiver interesse, mande uma mensagem com o email que eu mando mais fotos e maiores detalhes do modelo.

Mercado:

 

Mais uma vez os seminovos estão em alta no mercado.  Tendência esta já antecipada aqui no blog. Uma matéria local mostra os fatores que estão levando os consumidores a comprar estes carros, e junto a estes, eu colocaria mais um motivo, também já dito por aqui, mas que é sempre bom ressaltar novamente: Os valores absurdos cobrados pelos carros médios nacionais. Pela mesma faixa de preço se anda em um importado, que mesmo com um pouco mais de uso, é bem mais avançado em tecnologia que o nacional 0km, além, é claro, da segurança, por sempre contarem os itens de segurança de série na grande maioria dos modelos (abs, air bag – 2 no mínimo) e a conveniência, como teto solar, bancos em couro, ar condicionado digital, entre outros mais. Exemplo recente dos preços absurdos cobrados pelas montadoras foi o de um Peugeot 206 SW 1.6, modelo Feline, com o pacote normal de série por quase 48,000 reais. Um abuso se for levado em consideração o que o modelo oferecia. Já a mesma versão com abs e air bag duplo foi aos 51.800 reais. claro que a manutenção tem que ser levada em consideração na hora da compra de um carro, e que o zero km não vai dar dor de cabeça por um bom tempo. Mas com quase 52 mil reais, vale a pena dar uma pesquisada e ver o que o mercado de semi novos importados oferece. Por precaução, gasta-se uma quantia em uma revisão geral e pronto, a mecânica de um importado (principalmente a alemã) é forte e robusta, e se, bem utilizada, vai demorar bastante para o proprietário colocar a mão no bolso novamente para algum reparo em seu carro.

A matéria abaixo nos explica muito bem o que eu estou querendo dizer.

 

 

Preço de veículo importado semi-novo atrai consumidor

 

Apesar do valor do Dólar em relação ao Real estar no mesmo nível de 2001, os preços dos veículos importados zero quilômetro não param de subir.  Um exemplo é o BMW 320, que era comercializado por R$ 106,5 mil em junho de 2002, e que hoje não sai por menos de R$ 170,2 mil, de acordo com a tabela da agência Autoinforme. Em quatro anos, o modelo registrou um aumento de  59,8%, embora o valor do dólar tenha caído do mesmo período. De acordo com a Autoinforme, alguns fabricantes estão sendo obrigados a praticarem um preço 14,2% menor que o valor de tabela, para desencalharem os estoques. É o caso do Jaguar X-Type, com preço de tabela em R$ 225 mil, mas que vem sendo comercializado por R$ 193 mil.

Percebendo esta nova realidade, o consumidor de produtos importados tem migrado para o mercado de semi-novos, com até cinco anos de uso, que chegam a custar menos da metade do valor de um zero quilômetro. “O preço do semi-novo nunca esteve tão barato, e além disso o consumidor não tem despesas de emplacamento e o IPVA é mais barato”, resume Marcelo Magalhães, diretor da BM Point, empresa gaúcha que atua na comercialização de veículos importados.  Magalhães nota, também, que os proprietários de importados estão realizando a manutenção dos veículos com maior freqüência, sinalizando que ficarão com ele por um período maior. “O prazo médio de troca que era de três anos está passando para cinco anos”, observa Magalhães.

Outra mudança que está acontecendo na área de importados é a migração para centros técnicos especializados em determinadas marcas, que oferecem pacotes de manutenção por preços mais atraentes que as concessionárias oficiais. “Hoje, o proprietário de importado é fiel à concessionária somente no período do prazo de garantia”, resume Marcelo Magalhães.

Entre os modelos de semi-novos importados mais atraentes para a compra estão veículos da Audi e da Volvo. Um Volvo S40 2001 pode ser adquirido por R$ 54 mil, enquanto um modelo zero quilômetro não sai por menos de R$ 155,2 mil. Neste caso, o semi-novo de cinco anos sai por menos de 35% do valor de um zero quilômetro. Outro exemplo é o Audi A4 1.8 turbo, cujo preço de tabela  está em R$ 163 mil, enquanto o mesmo modelo de 2001 sai por R$ 84 mil.

A nova realidade do mercado de veículos importados no Brasil é observado pelas marcas associadas à ABEIVA (Associação Brasileira de Empresas Importadoras de Veículos Automotores), que nos primeiros quatro meses de 2006 registrou uma queda de 3,17% em suas vendas. Entre janeiro e abril de 2006, as associadas da ABEIVA comercializaram um total de 1559 veículos, contra os 1610 vendidos no mesmo período de 2005. Com um detalhe: em abril de 2005 a média do dólar era de R$ 2,73, valor que caiu para R$ 2,12 em abril de 2006.

 

[ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sul, PORTO ALEGRE, Homem, de 26 a 35 anos