Povo:

Desculpa a diferença nas letras, mas é que se torna quase, se não impossível, editar um texto aqui dentro sem dar algum tipo de problema, e com as ferramentas oferecidas, é praticamente impossível fazer um texto uniforme. Manter um padrão,  tentar criar uma identidade, impossível. Por isso peço desculpas pelo "carnaval" apresentado aqui dentro desse blog no que diz respeito à apresentação dos textos, como formato de letras, cores e fundo. Em breve, vou mudar isso e disponibilizar uma página mesmo, onde possa colocar fotos dos testes realizados e uma identidade visual que favoreça uma leitura agradável à vocês.

Test drive: Vectra Elite 2.4 16v.

 

Um dia e mais de 200 quilômetros com o novo modelo da Chevrolet, o tão aguardado e misterioso ainda, Vectra. Misterioso por que os primeiros modelos do carro para amostragem ao público só chegaram nas revendas duas semanas depois do que a GM tinha prometido, ou seja, semana passada, e também, por que não vi nenhum exemplar circulando ainda, fato comprovado pela atenção que ele chama nas ruas e do povo que junta ao redor dele onde quer que pare. Paramos em duas revendas de Porto Alegre e praticamente todos vendedores foram pra rua cercar o carro...

O carro é excelente para o nível do povo brasileiro, que compra carros de fora pra dentro e também mais por uma questão de projeção social do que propriamente de necessidade. O Vectra é mescla bem sucedida do Astra e do Vectra europeu, e que com os retoques muito bem feitos da engenharia da GM do Brasil conseguiu nacionalizar em 100% o projeto do novo carro.  Um veículo que em nada lembra o sucessor, com o teto rebaixado na traseira e com uma linha de cintura alta, ele ganha um leve toque de esportividade e sobriedade no carro que agora tem 2,01 de largura e 4,60 m de comprimento.

 

Acabamento e conviniência:

 

Interior discreto, porém muito elegante e eficiente. Excelentes bancos com revestimento em couro que seguram bem o corpo do motorista mesmo nas curvas mais fechadas, com regulagens elétricas e regulagem de apoio lombar no do motorista. Detalhes em madeira e alumínio pelo interior dão um ar requintado ao habitáculo. Ergonomia perfeita, já que o motorista tem todas as regulagens possíveis a sua disposição, como regulagem de altura e profundidade do volante. A empunhadura deste também é ótima, um volante de três raios e de circunferência pequena, revestido em couro, agrega os comandos de volume e sintonia do rádio em quatro botões, sendo que dois são giratórios para facilitar o manuseio do ótimo sistema de som com direito a cd changer de painel para 6 CDs. Ao meu ver, um dos grandes destaques do interior do carro é justamente sistema de som, e para os aficionados neste detalhe, o Vectra dispões de 2 tweeters nos retrovisores, 4 falantes nas portas e 2 subwoofers  na tampa traseira ligados em um amplificador conferindo um excelente palco sonoro dentro do habitáculo.

Ar condicionado digital e saída para os ocupantes da traseira, teto solar elétrico, alarme de velocidade, fechamento dos retrovisores, computador de bordo sensor de chuva e piloto automático completam o pacote de conveniências a bordo no Vectra. Os materiais usados no acabamento estão bem acima da média dos nacionais, o painel tem a capa de cobertura em um plástico emborrachado agradável ao toque, assim como a alavanca de câmbio. No painel, nada de extravagâncias, só o necessário, mas com iluminação indireta através de leds luminosos, muito mais eficiente e bonita do que a iluminação normal.

Desempenho e segurança:

 

 

O motor 2.4 16v flex do Vectra fala forte quando solicitado. Ele larga a disposição do motorista 146 cv quando abastecido a gasolina e 150cv quando à álcool. O exemplar testado estava com o tanque cheio de álcool durante o teste, o que garantiu respostas imediatas ao carro, mesmo com a tecla “S” (sport) do painel desativada, o que lhe garantiria mais potência com trocas de marchas em regimes de giro maiores. Claro que se tiraria um maior proveito deste propulsor se ele tivesse câmbio manual, mas como na versão Elite só conta com o automático, o jeito é se acostumar a “sentar a bota” no acelerador na hora das ultrapassagens. Na cidade, um motor dócil, com trocas de marchas suaves e sem solavancos na aceleração. Mas é mesmo na estrada que ele mostra todo seu potencial, inclusive o de garganta, já que no início do teste, o tanque estava cheio e no fim de 200km de teste, ele já estava com ¼ de álcool.

Uma estabilidade direcional impecável depois que se tem uma maior intimidade com o modelo, mas confesso que no início, me senti meio inseguro com ele, mas não passou de uma impressão inicial que desapareceu depois de percorrer os primeiros quilômetros da Br-116. Copiava o terreno e entrava nas curvas mais fortes sem tendências de sair de traseira e nem de dianteira, graças ao trabalho de engenharia da GM, que soube colocar o carro no chão, e aliado à isso, estão também as enormes rodas de 17 polegadas que ajudam a agarrar o Vectra ao chão. Inegável que são lindas, ainda mais no carro testado, que era preto, contrastando com as rodas polidas, mas o que elas sofrem com o nosso piso... O perfil 45 é baixo demais para o carro, e qualquer irregularidade do terreno é transmitida diretamente ao volante, sem contar o risco de batidas que possam danificar a roda. Por isso, acho que o perfil 55 do Elegance, também baixo, se enquadraria melhor ao nosso pavimento.

Um carro seguro em qualquer aspecto, até em estradas secundárias do município de Santa Maria do Herval, um lugar lindo e com paisagens exuberantes na subida da serra gaúcha ele foi colocado a prova. Claro que os pneus perfil 45 reclamaram desse desvio de estrada de chão batido, já que o outro carro do teste era a nova SW4 e eu tinha que acompanhar não interessava onde ela fosse. O Vectra acompanhou sem maiores problemas, e com a tecla “antipatinação” acionada, foi fácil manter o controle do carro no piso de baixa aderência mesmo quando o acelerador era pisado com vontade. Outro item que mereceu destaque no teste foram os freios do Vectra, a disco nas quatro rodas com abs que proporcionou frenagens seguras e curtas em qualquer terreno. O pecado deles é não ser de 5ª geração, pois ainda transmitem aquela trepidação incomoda ao motorista durante uma frenagem mais forte. Para arrematar a segurança, quatro air bags dentro do habitáculo, 2 frontais e 2 laterais estão a disposição dos ocupantes do carro.

 

 

Resumo:

 

        O Vectra é mais um produto da GM que se encaixa bem ao nosso mercado. Um carro que hoje, em Porto Alegre na versão top custa r$ 86.490 poderia oferecer alguns itens que podem a uma primeira vista parecer supérfluos, mas que fazem a diferença na hora da compra, como por exemplo, ar digital com regulagem individual, e não o mesmo do Astra e da Zafira, faróis de xenon ao invés do sistema convencional e uma cobertura total da tampa de porta malas. Para quem procurar um Vectra “básico”, o preço parte de R$ 60.590,00 e vai com ar condicionado digital, direção hidráulica, trio elétrico, alarme, retrovisor interno fotocrômico e rodas de 16 polegadas, e possivelmente este vai ser o carro chefe de vendas do modelo, por ser um carro com um bom espaço interno e um pacote básico interessante

 

No mais, um excelente produto da Chevrolet a disposição dos clientes que estão em busca de um carro confiável, bem acabado e que propicia um enorme prazer de condução e segurança ao motorista em um projeto novo e 100% nacionalizado.

 

Valores:

 Elegance

Manual: R$ 60.590,00 (ar condicionado digital, direção hidráulica e trio elétrico e alarme)

R$ 68.590,00 completo (ABS, 4 air bags, CD original com controle no volante, piloto automático, sensor chuva e alarme)

 Automático: R$ 73.500,00 (ABS, 4 air bags, CD original com controle no volante, piloto automático, sensor chuva)

 Elite: (somente na versão automática)

R$ 81.490,00 (completo)

R$ 86.490,00 (teto solar, banco com regulagem elétrica, rodas 17 polegadas)

 

 

Novidades: Novos flex no mercado:

 

Mais dois novos integrantes na era dos motores flex, Citroen C3 e Stilo 8v.  No C3, as mudanças se resumem somente no motor, ( mesmo 1.6 flex do peugeot 206) que continua com 110cv quando abastecido com gasolina e com 113cv a álcool porém, continua com um pacote interessante de série nas versões GLX e Exclusive, como air bag duplo, freios ABS, direção com assistência elétrica e computador de bordo. No Stilo, mudanças também só mesmo no motor, que agora passa a contar com 112cv a gasolina e 114 cv a álcool. O bom desta versão é que a Fiat abriu diversos opcionais a ele, como o teto sky window, kit Connection e as rodas de 16 polegadas. Quanto ao consumo, a Citroen não disponibilizou dados, mas a Fiat diz que o seu carro faz 8,2km/l na cidade e 11,2km/l na estrada de álcool e 12,0km/l na cidade e 16,3 na estrada de gasolina. Estes dados na verdade, acabam se diferenciando no uso diário com o carro, por depender muito do estilo de condução de cada motorista e das condições de tráfego dos carros.

M.R.S.

Duas rodas

Esse também é um tema que freqüentemente será abordado aqui no meu blog, tanto motos quanto bicicletas. Mas confesso que a minha “praia” é realmente bem mais bicicletas do que motos. Bicicletas por que mesmo com 27 anos na cara, estou sempre com a minha na rua.

Só pena que a falta de educação por parte dos motoristas aqui de Porto Alegre não colabora muito para uma condução saudável e segura delas, justamente por ser bem menor que um carro, os motoristas se prevalecem disso e sempre que possível, te jogam pra calçada, te cortam e se der também, até mesmo te derrubam só de sacanagem. Não sei se é algum recalque, despeito por estarem trancados em um carro, muitas vezes, chinelões brabos por andarem em farrapos automotivos, motoristas de ônibus ou mesmo taxista já recalcados por natureza mesmo, mas fato é que o desrespeito existe, e pior, mata, o que é mais triste ainda como aconteceu na avenida Beira Rio, alguns dias atrás.

 

[ ver mensagens anteriores ]



Meu Perfil
BRASIL, Sul, PORTO ALEGRE, Homem, de 26 a 35 anos